Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

#Be_One Be_Original

One Life, One Day, One boy.

#Be_One Be_Original

One Life, One Day, One boy.

Never Be Alone

Hey
I know there are some things we need to talk about
And I can't stay
Just let me hold you for a little longer now
 
Take a piece of my heart
And make it all your own
So when we are apart
You'll never be alone
You'll never be alone
 
You'll never be alone
When you miss me close your eyes
I may be far but never gone
 
 
    Existem diferentes momentos.
    Momentos bastante variados, uns bons outros horríveis, daqueles que temos vontade de esquecer e fingir que nunca aconteceram, até caírem na completa ignorância.
    Mas não é desses momentos que se escreve...
 
    Mas sim, daqueles momentos que nos sentimos sós, complemente sós, só apenas nós. Aqueles momentos em que temos a sensação de estar completamente sós, mesmo estando num meio de uma grande multidão. Como é isso possível? Estando tanta gente à nossa volta, tendo tantas pessoas a quem dirigir uma palavra ou mesmo um olhar?
   No entanto, nós temos aquela ideia que mesmo estando rodeados por tantos, continuamos sozinhos, e não censuro, uma vez que cada uma das pessoas está rodeada nos seus pensamentos acabando por se isolar de tudo e todos.
   Mesmo estando lá, não está.
 
   Passeando sozinhos pelas ruas ou estando sozinhos no nosso próprio quarto, pensamos estar sós, mas não estamos. Acompanhados sempre pelos nossos pensamentos, desejos e sonhos, que nos consomem até não haver mais nada nós, apenas existir aquele vazio, a solidão.
  E assim ficamos, em nós, na nossa mente, fingindo que pensamos, quando parece que paramos no tempo.
 
  Ponho os phones, aumento o som da música, diminuindo os sons e os ruídos do mundo que me rodeia e que nos acompanha em todas as circunstância - os tais tão falados momentos.
  Enquanto assim estou, sinto-me sozinho, mas não naquela solidão. Apenas eu, a música e os meus pensamentos.
  Mesmo estando sozinho, estou no meio da multidão de pensamentos, e posso pensar que nunca estou sozinho, mas a realidade é que estou.

Carrosel de Vontades.

    Passamos grande parte dos nossos dia, se não mesmo a nossa vida toda, num carrosel de vontades.

  Ora nos apetece fazer algo mas acabamos por fazer outra coisa que nos parece apetecer a meio. Parece, sim, pois muitas das vezes pensamos querer fazer algo, mas na realidade preferíamos fazer outra coisa qualquer.

    Por vezes temos é aquela vontade de não fazer rigorosamente nada, passar o tempo que seja, minutos, horas, dias, sem fazer nada, o que eu acho ser um desperdício de tempo, sinceramente, acho que temos muito mais tempo para fazer nada quando não tivermos nada para fazer.

   Outras vezes temos é vontade de fazer tudo, e por vezes tudo ao mesmo tempo, e que acabamos por não realizar ou satisfazer nem metade.

   Mas existem outros casos, por exemplo, quando temos vontade de fazer algo, mas não fazemos por ter medo das consequências,  ou mesmo por causa de jogos de aparências.

   É mais frequente do que se possa pensar. Acontece mais do que se possa imaginar. Acontece a todos nós, pois todos nós já tivemos muitas vontades que nunca foram satisfeitas por pensarmos demasiado nelas, a prever todas a jogadas que possam aparecer e tentar rodear todas as consequências pensáveis e impensáveis.

    A verdade é que o futuro está fora do nosso controlo. 

   Nada nos garante que por pensar em tudo o que possa acontecer isso não aconteça, ou vice-versa, acontecimentos imprevisíveis aparecem até nas experiência mais bem preparadas.

   E é neste carrosel de vontade, do ora apetece isto, ora não me apetece aquilo, que passamos as nossas vidas, e é com as nossas diversas e excessivas vontades que nos movemos a fazer algo, que guiamos a nossa vida, e quando este carrosel de vontades estiver parado, bem, talvez já tenhamos cumprido todas as nossas vontades, se é que isso é possível, ou então porque desistimos de as tentar cumprir.